Podia ser você,
mas espaço e tempo errados,
não nos deixaram ficar!

Tive que partir com a alma em frangalhos,
os olhos cansados de tanto chorar,
o coração amargurado
por não ser você.

A pessoa que mais amei,
que mais desejei,
que abriu meu ego em dois:
"Alma e coração!"

Choro a falta do seu amor,
os dias vividos na paixão e na dor.
E, finalmente a despedida
que me mata até hoje,
não tendo chão para pisar,
alma para passear ,
na estrada da vida, com você!

Vivo uma vida que não é minha,
pelo menos, por enquanto.
Haverá esperança pra nós,
Luz do meu viver?

Eda Carneiro da Rocha

Querida Crys.
Esse poema, eu o dedico, com todo o meu carinho para você.
Um beijo de
Eda

 

 

 

 

 

Formatação/Arte Final:Crys

Imagem:Getty Images