Minha pequenez, tão pequena,
que a procuro em minh'alma que não é pequena!
Ela se avoluma a um rio caudaloso que some,
de repente ,e se transforma em riacho,
serpenteia, divaga, indaga,não contesta,aceita!..

Aceita a pequenez das coisas,
querendo compreender,
sem entender o porquê deste encontro,
de rio caudaloso e riacho,
procurando, amando, olhando, indagando
quem és tu que chegaste tão de mansinho,
me tomaste inteira, sem nada perguntar ,
apenas a intensidade incondicional
deste sentimento que nada deve,
sobeja carinhos, luz, paz e amor!

Sou pequena e sou gigante,
nesta minha pequena e amada pequenez
que sente, é feliz mesmo assim,
com esta alma concebida de sonhos
que eu mais amei!..

Eda Carneiro da Rocha
" Poeta Amor"

::: Menu ::: Voltar :::


CLIQUE PARA RECOMENDAR ESTA PÁGINA!

 

CrysGráficos&Design