Meu Labirinto de Amor

Correndo vou, atrás da vida,
antes que ela me pegue, no seu torvelinho feroz.

Que me leve e me arraste
qual minuano, numa terra longínqüa,
talvez a terra do nunca,
onde nunca encontrarei
o meu amor.

Ele terá partido qual flecha,
qual dardo,
direcionado
no horizonte perdido
dos meus pensamentos.

E, nesse labirinto
nada encontrarei.
Procurarei a êsmo
o meu doce amor
que se terá diluido
nana voragem do torvelinho
que a vida nos impôs." Poema":

Saltarei antes, numa das curvas
do caminho
e qual pena flutuarei,
nas tuas suaves asas
e salva estarei.

Terei encontrado novamente
o meu amor
que a voragem da vida
não exterminou!

Eda Carneiro da Rocha


CLIQUE PARA RECOMENDAR ESTA PÁGINA!