Se soubesses da minha saudade
Que me fala docemente aos meus ouvidos
Que não se aparta de mim um momento sequer
Já não vivo, sinto-te, Mãe Amada!
Sempre neste coração que é teu

Mãe, que saudades de teu meigo olhar
De ficar com a minha mão direita na tua
Pois a outra estava no volante
Quando dávamos nossos passeios.

E como gostavas de passear com a tua Edinha.
Saudades, Mãe Amada, Querida e Venerada.
Saudade que às vezes me fustiga
E lágrimas que teimam em descer.

Nunca amei tanto, Mãe
Como sinto a tua falta
Neste mundo de Deus

Creio mesmo que sem a tua imagem
Teria perecido de Amor-Saudade
Que mata, açoita, alucina.
E tudo que faço é amar-te cada vez mais.

Neste meu cantinho, estou contigo
Tua Borboleta amada por ti.
Te Amo, Mãe , MInha Mãe!

Nunca me deixes e vela por mim.
Necessito de teu olhar, de tuas mãos
De tuas palavras benditas e compreensivas
Tudo entendeste bem antes da hora da partida
Em que um dia estaremos de novo reunidas
Mãe, Minha Divina Mãe!

Ofereço este Poema a Minha Divina Mãe:
Esmerilda Soares Carneiro da Rocha
que, um dia, me tornou Poeta.

Beijos inesquecíveis de tua filha amada

Eda

 

 

Menu ::: Voltar ::: Envie essa Página

 

::: CrysJuanGráficos&Design :::