Como Loba Matreira, me espreitas!
O bote será dado, em meu coração,
que permitiu que quase me devorasses inteira!
Gulosa que és!

Arma-te para um coração desavisado
que já aprendeu as argúcias da vida!
Não tenho medo, Mulher Loba!
Procura outra presa,
pois não encontrarás mais abrigo
neste meu coração
que é feliz e não conhece mais decepção!

Um Lobo, de porte real me levou para a floresta,
me cativou e me amou!
Me deu força, calor, me fez amor,
passou-me energia do Cosmos,
da Floresta Encantada,
cheia de Magia!

Vem, Meu Lobo Amado!
dá-me teu carinho,
sem mostrar tuas presas que afiadas são,
mas para mim só Amor e Emoção!

Eda Carneiro da Rocha